“A coleção é tipo permitir-se ir devargarzinho – e com capricho”, escreve Pam Barja, sobre a linha premium Atelier

Sabe quando a gente se demora? Quando permite saborear um café sem pressa, quando faz uma refeição sem encostar no celular, quando sai caminhando pelo bairro sem rumo? Em tempos de instantaneidade, permitir-se ir devagarzinho — e com capricho — é mesmo um prazer. É nisso que penso quando o assunto é Atelier, marca premium da Renner, que a cada estação foca em acabamentos, tecidos nobres e modelagens coringas.

 

O último lançamento de Atelier é a coleção Encontros, que foi inspirada em confluências — entre águas, pessoas, almas, e também consigo. A brasilidade dá o tom: as canoas, que promovem a conexão de um lado ao outro do rio, são protagonistas da narrativa. A partir daí, a Renner usou elementos e tons que reforçam esse quê brasileiro. Tem sandálias com cordas que remetem a um mood rústico, camisa bordada com desenhos de folhas, tecidos naturais, como linho e algodão, e por aí vai.

 

Para mim, o mais charmoso de Atelier são os detalhes: os botões trabalhados com pedras, as costuras caprichosas e o toque macio de cada roupa — coisas que encantam os sentidos . Isso sem falar na estética impecável. Em Encontros não é diferente, e cada coisa tem um significado. As sandálias de cordas que mencionei acima, por exemplo, trazem o clima náutico (lembra da história das canoas?). As estampas orgânicas reforçam a inspiração na natureza, e a paleta é bem suave. Até os tons mais vibrantes, como rosa antigo, verde limão e pêssego, conversam com esse clima botânico das novidades.

 

Mas claro que a Renner também rastreou algumas tendências e componentes fashionistas para embutir na coleção. É daí que deriva, por exemplo, a alfaiataria revisitada: você encontra blazers cropped e calças cenoura, duas peças com carinha mais contemporânea. As roupas são feitas de algodão, que proporciona um alto conforto térmico (diga adeus ao medo de suar o dia todo nos dias quentes!).

O radar da Renner rendeu ainda bolsas com shape geométrico, a exemplo desse modelo bucket que escolhi e mostrei acima. Em estilo zigue-zague, ela tem um tamanho que me

serve bem no dia a dia, e veio na tonalidade verde que achei a cara do verão. Combinei o look com esse colete — olha aí a antena da Renner mais uma vez! — e a calça da mesma cor. O visual monocromático é outra coisa que não sai de moda, e garante uma sofisticação sem igual.

Mais uma combinação que amo é essa bege, que traz o mesmo tom em diferentes texturas. O blazer é um mimo à parte: o charme vem da modelagem ⅞ e das manguinhas bufantes, além dos botões frontais, todos dourados. Combinei com essa blusa texturizada, a calça de alfaiataria com botões dourados e pregas estratégicas, e ainda as sandálias de salto grosso com tiras de corda. Veja que o look tem elementos românticos, handmade, naturais e flutua bem por vários estilos, tudo isso sem perder a unidade visual. São roupas que vão do trabalho ao happy hour, da consulta médica ao almoço de fim de semana… Tudo depende dos acessórios que você usa!

 

Falando em acessórios, amo saber que essa linha especial da Renner traz looks completos, com bolsas, sapatos, cintos e até brincos, colares e pulseiras. Qual foi a sua combinação favorita? Me conta no meu instagram: sou a @pambarja por lá!